O Vento Que Na Janela Soprava O Vento Que Na Janela Soprava

O Vento Que Na Janela Soprava

    • R$ 27,90
    • R$ 27,90

Descrição da editora

28º livro do autor de: 1. OS OCEANOS ENTRE NÓS 2. PÁSSARO APEDREJADO 3. CABRÁLIA 4. NUNCA TE VI, MAS NUNCA TE ESQUECI 5. SOB O OLHAR DE NETUNO 6. O TEMPO QUE SE FOI DE REPENTE 7. MEMÓRIAS DE UM FUTURO ESQUECIDO 8. ATÉ A ÚLTIMA GOTA DE SANGUE 9. EROTIQUE 10. ATÉ QUE A ÚLTIMA ESTRELA SE APAGUE 11. NÃO ME LEMBREI DE ESQUECER DE VOCÊ 12. EROTIQUE 2 13. A CHUVA QUE A NOITE NÃO VIU 14. A IMENSIDÃO DE SUA AUSÊNCIA 15. SIMÉTRICAS 16. AS VEREDAS ONDE O MEU OLHAR SE PERDEU 17. A MAGIA QUE SE DESFEZ NA NOITE 18. QUAL É O SEGREDO PARA VIVER SEM VOCÊ? 19. OS TRAÇOS DE VOCÊ 20. STRADIVARIUS 21. OS SEGREDOS QUE ESCONDES NO OLHAR 22. ATÉ SECAREM AS ÚLTIMAS LÁGRIMAS 23. EROTIQUE 3 24. OS POEMAS QUE JAMAIS ESCREVI 25. TUA AUSÊNCIA, QUE ME DÓI TANTO 26. OS DRAGÕES QUE NOS SEPARAM 27. A NOITE QUE NÃO TERMINOU NUNCA MAIS Algumas amostras: “Deixo aqui este último relato, que enviarei pelo transmissor, / E provavelmente levará anos para chegar ao seu destino, / Afastem-se desse planeta, pois nele habita o puro horror, / Não voltem aqui nunca mais, pois este é um mundo assassino!” “Confesse, mesmo que não seja verdade, / O quanto meus poemas em você penetraram, / Como meu lirismo o seu vazio invade, / E seus lábios sentem falta dos meus, que nunca beijaram!” “Este será o nosso legado, um mundo extinto, / Num braço perdido dessa Galáxia obscura, / Um Sol amarelo, para sempre de sangue tinto, / Olhando pela eternidade para esse mundo sem cura!” “Onde foi que você se ocultou / Dessa febre que em você ardia? / Quando foi que você se curou / Da paixão que em sua fala se ouvia?” “Entre riachos de águas correntes / E geladas, / Talvez enfim te decidas / A dar-me beijos ardentes, / Tórridos, incandescentes, / E depois de nos beijarmos, / Liberar-me o teu corpo lindo, / Infindo, / E por horas nos amarmos, / Enquanto a tarde desce / E o teu desejo cresce, / Talvez / Na primeira vez / Em que assim me encantas, / Entre outras tantas,” “Por que você não repara / Nos versos profanos / Que em meu olhar flutuam? / Por que você não mascara / Que faço parte dos planos / Que em seu olhar se insinuam?” “Mesmo se acaso eu quisesse, / Como sufocar esse mar de versos, / Como evitar que a ti eu confesse / Esse amor que transcende Universos?” “Ou será apenas uma ilusão de ótica, / Será alguém que com você se parece, / Mas não tem estrelas no olhar? / Ou será uma lembrança hipnótica / Que o cair da noite fria me tece, / E faz-me de novo sonhar?” “O que foi isto que senti quando você me tocou? / Que espécie de momento sublime foi alcançado, / Quando cada um de meus pelos se arrepiou, / Como se um anjo me houvesse tocado?” “Quando eu morrer, ao fim dessas estradas, / Não me enterrem num cemitério qualquer, / Mas sim ao lado dela, / Se possível no mesmo caixão! / Deixem nossas mãos entrelaçadas, / Para que não fique, por um momento sequer, / Sem sentir sua presença, na mesma cela / Onde nos reuniu a Escuridão...” “Quando foi que começou esse desencontro / E a desilusão acampou lá fora? / Quando a tristeza veio ao nosso encontro / E depois nunca mais foi embora?” “Hoje, eu me peguei pensando em você, / Depois de tanto tempo que a tinha esquecido, / Chegou de repente, não sei o porquê, / Essa lembrança de um passado perdido...” “Sua ausência tem me doído tanto / E trazido uma saudade que não engulo / Preenchendo de tristeza cada canto / Por onde solitário e triste perambulo” “Esse seu silêncio me perturba / Mais do que se gritasse comigo / Mais do que se houvesse uma turba / Tentando invadir o meu abrigo” “E se amanhã eu me tornar triste, / E levar toda a sua alegria embora? / E se o bandido vier com a faca em riste, / Ou se o inverno chegar fora de hora?” “Maldito relógio, bata mais devagar, / Ou apenas pare de bater, / Pois, assim que a manhã nos alcançar, / Minha amada irá ascender. / A vida não terá mais sentido, / Meu barco terá naufragado, / Depois que ela houver partido, / O amor terá se ausentado, / E para mim nunca mais voltará!” “Desejo tua carne surpresa, / Acesa, / Atenta, / Sedenta... / Desejo tua carne ilícita, / Solícita, / Serena, / Obscena...” “Nesse mundo binário, / És o tudo / Ou o nada, / O escudo / Ou a espada, / O peixe ou o aquário?” “Por que nunca me olhaste com calor e sorrindo, / E essa melancolia domina o teu semblante, / Por que não vejo risos nesse rosto tão lindo, / E me olhas como um fugitivo do inferno de Dante?” “Cansei-me de pessoas superficiais, / Cuja aparência mudou de repente, / E colocaram enormes seios artificiais, / Mas não conseguem retocar a mente!” “Mas, se algum dia quiseres conversar, / Estou aqui, sem qualquer espécie de rancor, / Venhas desarmada, sem esse fogo no olhar, / E quem sabe, possamos ainda falar de amor...” “Andei sem rumo por cidades imensas, / Procurando um único sorriso amigo em ruas densas, / E da mesma forma por vilas despovoadas, / Onde tudo que vi foram almas penadas, / Vagando sem destino, tristes como eu, / Cascas sem vida que até o tempo esqueceu!” “Escoramos nossas vidas com calços / Sobre os quais o Mal faz a sua colheita / Enquanto para fugir de suas amarras / Fugimos de demônios barrigudos / Entre furacões e ventos uivantes / Corremos sobre pedras com os pés descalços / Enquanto o Mal sobre nós se deita / Espalhando armadilhas bizarras / Nos leitos onde aguardamos desnudos / Por nossas tórridas amantes” “Pois como esquecer de sua boca incrível, / Que distribuía beijos e labaredas, / Naquela cama imensa e memorável? / Como olvidar aquela noite inesquecível, / Que passamos entre lençóis e sedas, / E que marcou o início desse amor imensurável?” “Passo ao seu lado distribuindo balas e murros, / Combatendo bandidos pelas noites e ruas, / Mas tudo que queria era ouvir seus gritos e urros, / Enquanto navegasse pelas suas costas nuas...“ “Esse teu sorriso parado no ar, / Como um sensual helicóptero, / Penetrou entre os átomos de meu olhar, / Colorido como um helicóptero...“ “Você nem imagina o que você perdeu, / Quantas coisas aconteceram no mundo, / Enquanto você estava nos braços de Morfeu, / Mergulhada nesse sono tão profundo!” “Foi quando notei que me tornara invisível, / Vagando despercebido pelas avenidas, / No meio de tanta gente insensível, / Que só se preocupava com suas vidas.” “Palavras sem rimas são solitárias, / Sempre buscando em vão companhia, / Tomando ônibus em tristes rodoviárias, / Fugindo de um câncer que crescia...” “Quando você chegou, / Cavalgando num raio de luar, / Minha alma se encantou / Com o brilho de seu olhar... / Não vi asas em suas costas, / Mas mesmo assim você voava, / E de suas lindas pernas expostas / Meu olhar não se desviava... / Nessas suas íris violetas / Havia promessas de aventura, / Talvez cavalgando cometas, / Ou a me navegar com loucura...“ “Teus dardos doces me penetram, / Insuflando o sangue de minhas veias, / Meigos fardos que me compenetram / Na paixão exangue de tuas luas cheias!” “Comecemos esse nosso jogo do zero, / E que nosso primeiro beijo seja sincero! / Faça com que nosso desejo seja invencível, / Torne essa primeira noite inesquecível, / E quem sabe, quando amanhecer, eu a convide / Para um programa de que até Deus duvide” “Pois esse teu olhar apocalíptico / Já me julgou, condenou e executou! / Nosso círculo de amor tornou-se elíptico, / Perdeu por completo as suas formas, / De que adianta dizer qualquer bobagem, / Se esse abutre em que te transformas, / Quando me olhas desse jeito selvagem, / Já me condenou direto ao inferno?” “Quando seus lábios enfim me beijaram / E o seu olhar, de amor se iluminou, / Algumas estrelas, do céu despencaram / E o brilho delas, pelo caminho se espalhou...” “O Amor é meu pastor, / E nada me faltará! / Afasta a minha dor, / E só a venturas me levará.” “Não se preocupe, você que lê os meus versos, / Não sou eu quem sofre assim, / Não foram amores meus que se perderam, / Nunca viajei para outros Universos, / Dragões nunca se aproximaram de mim / E deusas meus poemas nunca leram!” “Pela noite a dentro, / O espelho se escandalizará, / Tentando focalizar em vão / Teu corpo no qual me concentro, / Revelando segredos que a noite guardará, / Nas roupas espalhadas pelo chão...” “Pensei que nosso amor fosse sólido, / Mas qual o que! Era líquido apenas, / E desceu ladeira abaixo, como um bólido, / Tornando nossas grandes esperanças pequenas!” “Ela me mandou um nude / Esperando que eu mude / De ideia e assim a acolha / Era uma difícil escolha / Pois ela era mesmo bonita / E naquela sua foto infinita / Eu me vi ali ao seu lado / Compartilhando um pecado / Mergulhado com ela ao luar” “A magnífica música da Natureza / Derramou-se pelo parque acima / Celebrando o amor dessas lindas aves / Em seu voo sempre aos pares / Triste de quem não vê a beleza / Exposta em cada obra-prima / Como as araras em seu voo suave / Ou o salto das jubartes nos mares” “Você tem uma combinação terrível / Que para mim se torna impossível: / Carne flácida / E língua ácida / Corpo sovina / E língua ferina / Teimosia invencível / E língua de baixo nível” “Dê-me um beijo inesquecível, / E depois então partirei, De volta ao desejo irresistível / Que por você sempre sentirei, / De volta a essa espera terrível, / E a esse meu destino cruel, / A esse rabisco ilegível / Dessa vida cheia de fel...” “De que substância afinal é feito o amor, / Que provoca esse tipo estranho de reação / E em pleno inverno, nos enche de tanto calor, / De qual composto divino se extrai a paixão?” “Esse teu olhar cheio de amor / É pura Poesia!” “E esse beijo sutil e momentâneo, / Mas principalmente espontâneo, / Terá sido dado para ver se eu descubro / Nesse dia trinta e um de outubro / Se você é mesmo de verdade, / Com esses seus infinitos olhos de jade?” “O seu rastro por aqui não morre, / Invisível, lembrando-me de você, / A cada vez que abro a geladeira, / E vejo o vinho que ficou aberto, / Na última vez que ficamos de porre; / Há uma garrafa fechada de vinho rosê, / Um monte de bombons na cristaleira, / Você se foi, mas sua alma ficou por perto...” “Você escorreu de mim devagar, / Derramando-se entre meus dedos, / Vertendo-se por todos esses poros... / Então você se fundiu ao luar, / Liberando meus mais terríveis medos, / E se foi na noite, cavalgando meteoros...” “Algumas balas perdidas / (Como tudo que se perde na vida) / Nunca mais são encontradas...” “Finalmente tomei coragem para te oferecer uma bebida, / Felizmente prontamente aceitaste, e enquanto bebias, / (Acho que com pena de como eu estava abalado), / Então te contei que sonhara contigo por toda a vida, / Sem nunca imaginar que realmente existias, / Sem ainda acreditar que te houvesse encontrado!” “Time passes so fast, / And my heart never mends, / Our love lies in the past / And this sadness never ends.”

GÊNERO
Religião e espiritualidade
LANÇADO
2017
3 de novembro
IDIOMA
PT
Português
PÁGINAS
41
EDITORA
Clube de Autores
VENDEDOR
Ink it
TAMANHO
2,3
MB

Mais livros de Marcos Avelino Martins

Os Traços De Você Os Traços De Você
2017
Um Verso Suicida Um Verso Suicida
2019
Olympus: Livro V - Thessalia Olympus: Livro V - Thessalia
2019
Erotique 5 Erotique 5
2019
Cadê O Amor Que Estava Aqui? Cadê O Amor Que Estava Aqui?
2018
Você Se Foi, Mas Está Aqui Você Se Foi, Mas Está Aqui
2018