• CHF 6.50

Beschreibung des Verlags

“OS TRAÇOS DE VOCÊ” é o 19º livro publicado pelo autor, juntando-se a: 1. OS OCEANOS ENTRE NÓS 2. PÁSSARO APEDREJADO 3. CABRÁLIA 4. NUNCA TE VI, MAS NUNCA TE ESQUECI 5. SOB O OLHAR DE NETUNO 6. O TEMPO QUE SE FOI DE REPENTE 7. MEMÓRIAS DE UM FUTURO ESQUECIDO 8. ATÉ A ÚLTIMA GOTA DE SANGUE 9. EROTIQUE 10. NÃO ME LEMBREI DE ESQUECER DE VOCÊ 11. ATÉ QUE A ÚLTIMA ESTRELA SE APAGUE 12. EROTIQUE 2 13. A CHUVA QUE A NOITE NÃO VIU 14. A IMENSIDÃO DE SUA AUSÊNCIA 15. SIMÉTRICAS – 200 SONETOS (OU COISA PARECIDA) DE AMOR (OU COISA PARECIDA”) 16. AS VEREDAS ONDE O MEU OLHAR SE PERDEU 17. A MAGIA QUE SE DESFEZ NA NOITE 18. QUAL É O SEGREDO PARA VIVER SEM VOCÊ? À disposição no Clube de Autores e na Amazon, em versão impressa ou digital. Este livro, a exemplo dos anteriores – à exceção de “SIMÉTRICAS”, que tem 200 poemas –, contém 50 poemas, sendo a maioria deles profundamente líricos e românticos de cortar o coração, de fazer sonhar, ou de pura nostalgia, marcas registradas do autor. Alguns trechos: Assim é a vida, / Entre partidas e chegadas, / Risos e prantos, / Ódio e amor, / Divino e humano...” “Andei seguindo os seus passos, / Em vão buscando os seus traços, / Mas nada encontrei, / E sem você, nada sei, / Sou uma fagulha perdida no ar, / Um barco sem GPS no mar, / Um triste verso sem rima, / Um salmão a saltar rio acima, / Buscando transpor um penhasco!” “Foi em setembro / Que eu te conheci, / Numa linda e fresca manhã, / Qual era o dia não me lembro, / Mas nunca mais esqueci / O teu perfume Pierre Cardin...” “Algumas andarilhas voltam atrás, / Atrás da primavera que não viram chegar, / Mas isto não lhes devolve a paz, / Pois o amor é instável, sempre a se reinventar,” “As palavras ficaram presas na boca, tantas vezes, / Mas nunca te disse o quanto te amo, / Fiquei perto de confessar, nesses últimos meses, / Que acordo no escuro e sempre te chamo, / Como se estivesses ao meu alcance, / E não a essa distância maldita, / Como se houvesse alguma chance / De cultivarmos uma paixão infinita...” “E quando chegas bem próxima, ao meu alcance, / Corres para mim, e te aninhas entre os meus braços, / E docemente me beijas, tal como antes, / Fazendo com que o meu coração de novo balance, / Como se fosse por mágica, remendando os pedaços, / Apertando contra meu peito teus seios arfantes… / Tomara que não seja um sonho, pois não suportaria, / Depois de tanto sofrimento, te ver desaparecendo, / Como se fosse um fantasma que me fizesse uma visita, / E sumisse de novo, apagando toda essa alegria / Que sinto, quando de novo em meus braços te prendo, / E te cubro de beijos, revivendo essa paixão infinita...” “Por isto, te deixo seguir pelos ares, / Atrás de manhãs e segredos, / Tristemente te vejo a escapares, / Diáfana, por entre meus dedos… / E segues em frente, espalhando tua candura, / Através dos céus, florestas e mares, / Deixando este poeta órfão de tua alma pura, / E te vais, para nunca mais voltares!” “’Decifra-me ou te devoro’, / Disse a esfinge ao poeta! / E, sem suar por nenhum poro, / Ele respondeu: ‘Singela meta! / Meu ofício é procurar rimas / Para versos bem complicados, / Será moleza decifrar enigmas / De uma esfinge com pés quebrados! / Dizei-me, astuto ser mitológico, / Que queres que eu te decifre?’” “O que me faz sonhar contigo / Talvez seja essa boca carnuda, / Ou quem sabe o sorriso encantador, / Pode ser esse teu adorável umbigo, / Mas acho que é essa paixão aguda, / Que os homens chamam de amor...” “Se acaso por aí algum dia me encontrares, / Faças como se não me viste, como sempre fizeste, / Como se eu fosse o rei dos lupanares, / Ou um amaldiçoado mensageiro da peste!” “O primeiro beijo não se esquece, / E assim aconteceu com nós dois, / Há tanto tempo, que hoje parece / Que não houve o que veio depois! / Éramos tão unidos, como aconteceu / A avalanche que soterrou nossa paixão, / A confiança que num instante se perdeu, / O desatino que nos condenou à solidão?” “Por que quando acordo de nada me lembro, / Mas minhas roupas estão sempre em farrapos? / Por que o ano todo, de janeiro a dezembro, / Minhas lembranças noturnas são apenas fiapos?” “Ilusões feridas são traiçoeiras, / E espreitam pelas fechaduras, / Ficam espiando, sorrateiras, / Segredos pelas noites escuras...” “Quem será aquela linda pirata, / Com uma espada na cintura, / E esse olhar que me arrebata, / E me convida a uma aventura? / E aquela vestida de princesa, / Com sua linda cabeleira vermelha, / E aqueles olhos cor de turquesa, / Nos quais enxergo uma centelha?” “Você para mim pouco importa, / Se quiser, pode ir até para Marte, / Pensar em você, meu tesão até corta, / Do time de seus fãs, não faço parte!” “Encontrei um verso perdido, / Numa esquina em que Drummond andava, / Recolhi o triste verso, ali caído, / Guardei-o e levei-o para a casa onde morava.” “Foi apenas uma vez, mas inesquecível, / Nunca mais conseguirei esquecer aquela tarde, / Daquele desejo imenso, quase impossível, / Tão grande que, só de lembrar, meu corpo arde!” “Será que o amor viraria essa neurose, / Essa obsessão em minha psiquê? / E mentalizo essa metamorfose, / E por onde vou, fico vendo você?” “A força desse amor me atropela, / E aos poucos me leva ao hospício, / A distância de você me congela, / Vivermos longe assim é um suplício!” “Essas tuas sensuais meias pretas, / Que parecem uma rede nas pernas, / Circundam o lugar onde nascem cometas, / Provocando-me fantasias eternas! / E aí, vens e me prendes com algemas, / Sem que eu possa ter qualquer reação, / Por mais que me abraces e gemas, / Nos rastros de tua ardente paixão!” “E quando em nossa cama chega a manhã, / Depois de uma noite de lindas batalhas, / Brilha em teu olhar a linda Aldebaran, / Que derrubou todas as minhas muralhas...” “Não, por favor, não me beije ainda, / Deixe-me escrever um último verso, / Onde confesso que você é a coisa mais linda, / Que já apareceu em qualquer Universo!” “Tentes esquecer nossas noites / De sexo e puras delícias, / Entre afagos e açoites, / Entre algemas e carícias… / Tentes esquecer nossas tardes / De paixão, vinho e loucuras, / Na cama em que sempre ardes / Com os nossos beijos e juras...” “Encha-me de beijos cálidos, / Minha tristeza suavemente extirpe, / E amemo-nos até ficarmos pálidos, / Nessa nossa paixão de fina estirpe! / E à noite, depois de tanto amor, / Quando já estivermos lassos, / E minha boca cheia de seu sabor, / Aperte-me ainda mais em seus laços...” “Ao ver os olhos vazios da abnegada esposa, / Tão vazios quanto a sua velha carteira, / Ajoelha-se, e reza aos céus uma prece, / Mas o destino é uma ardilosa raposa, / Tão cruel e insensível quanto matreira, / Amarrando as teias que a vida tece...” “Em meu corpo, habitam mitos e quimeras, / Invernos e verões, / Outonos e primaveras, / Restos de antigas paixões… / Em minha mente, vagam versos e canções, / Estrelas e madrugadas, / Princesas e dragões, / Reinos encantados e fadas...” “Queria não me importar contigo, / Mas me importo… e muito! / Queria te deixar de castigo, / Mas seria só um caso fortuito,” “Mas como é que apago uma miragem, / Se você chega quando bem entende, / Sem nunca carregar nenhuma bagagem, / E se meu coração a você se rende?” “Adeus, não quero vê-la outra vez, / Em nosso último jogo, não houve empate, / Pois esse derradeiro jogo de xadrez / Foi a única vez em que lhe dei xeque-mate!” “Já cansei de buscar água nesse deserto, / É bem mais fácil encontrá-la no Saara! / É como enfrentar um pesadelo desperto, / Ou uma bala que alguém lhe dispara!” “Que saudade estava dos teus beijos cálidos, / Do toque suave de tuas mãos nas minhas, / E envolvendo meus cabelos entre teus dedos, / Tua beleza alimentando meus versos esquálidos, / E beijos que curam lembranças mesquinhas, / Beijos que acalentam novos lindos segredos...” “E pergunta meu lado indagador: / Neste mundo, tão cheio de veneno, / Como pode caber tanto amor / Num coração tão pequeno?” “Por que nunca nos deixam os amores perdidos, / Que ficam sempre a assombrar nossas vidas, / Que às vezes vêm, e nos entorpecem os sentidos, / Para que servem essas lembranças suicidas?” “Olhe fundo em meus olhos, conte-me tudo, / Diga-me detalhes de sua vida passada, / Fale-me de seus sonhos, baixe o escudo, / Sejamos apenas nós dois, e mais nada...” “Às vezes, a Poesia me chama / E mando dizer que não estou, / Pois nas brasas dessa chama, / Ainda sou o dono deste show. / Às vezes, ela está no comando, / Outras, quem comanda sou eu, / Pois quando estou versejando, / O próprio tempo já me esqueceu!” “Em seus sonhos, ela insiste em ficar, / Ainda sonha em afagar seus cabelos, / Relutando em ser afinal esquecida, / Virar uma memória que no tempo se perdeu, / Uma triste página virada da vida, / Rastro de um amor que já se esqueceu...” “Desde que terminamos nosso caso, / Vivo cantando, rindo, leve e solto, / E isto não é apenas por um acaso: / Vivi por anos num oceano revolto, / Sempre a me afogar em sua ira, / Com meus versos amaldiçoados, / Obrigado a esconder minha lira, / Deixando meus sonhos guardados,” “Na imensidão dos olhos, / Há vários universos / Onde o amor se esconde...” “Não sei explicar essa sintonia, / Se desde que a beijei, sinto teu sabor, / Pode ser apenas um efeito da Poesia, / Mas acho que o nome disto é amor...” “E de repente um dia notares / Todos os meus ternos olhares / E nesse dia receberei do céu / Um sorriso teu como troféu / E te contarei como me afetas / Que Cupido acertou-me duas setas / Uma no coração e outra no olhar / E por isto vivo contigo a sonhar” “Não há no mundo ciência / Que explique tua renitência / Em aceitar meus elogios, / Em ouvir meus assobios, / Quando passas a rebolar, / Com esse teu jeito de andar / Que me endoidece de vez, / Que explode minha timidez, / E que me deixa perplexo, / Sonhando em ver teu reflexo / Através de meu espelho, / A tirar teu vestido vermelho, / Com um sorriso sensual, / E mostrar o corpo fenomenal, / Que adivinho debaixo do vestido, / Com meu sexto sentido, / Que me alerta que és pura dinamite, / Mais linda do que o céu me permite,” “Você não está nem aí, / Se fui para Marte / Ou aos anéis de Saturno, / Se fui tomar açaí / Ou se tive um enfarte, / Ou fui morto por um guarda-noturno!” “Bem que eu não quis me render / Mas o amor é como uma teia de renda, / Que fica ali, escondida no chão, / Esperando um incauto se emaranhar, / E, quando isto acontece, já é tarde, / Para fazer de conta que nada aconteceu, / Pois o amor não tem hora e nem lugar, / Para virar essa chama que tanto arde / Por alguém que às vezes nem o percebeu...” “Ando me refugiando pelos cantos, / Para ver se assim você me poupa, / E resolve me mostrar seus encantos / Que se escondem debaixo da roupa!” “Chego em casa ao final do trabalho, / E me deparo com o quarto vazio, / Vejo no espelho o meu cabelo grisalho, / Tão triste que me dá um calafrio...” “The night releases my memories. / That lie down with me / Remembering old stories / In which I am my own enemy / Cause I m the one who let you go / Without almost sketching resistance / And the reflection of this now I know / With the agony of your absence”

GENRE
Religion und Spiritualität
ERSCHIENEN
2017
3. April
SPRACHE
PT
Portugiesisch
UMFANG
40
Seiten
VERLAG
Clube de Autores
GRÖSSE
196.4
 kB

Mehr Bücher von Marcos Avelino Martins