Existe uma arte comunista‪?‬

    • $ 8.900,00
    • $ 8.900,00

Descripción editorial

A reivindicação da arte política, de uma arte engajada na transformação social e política, pertenceu aos artistas da Revolução Soviética, «como se essa transformação fosse imanente à sua forma de praticar e conceber a arte; como se ela estivesse inscrita na própria existência da arte, enquanto prática e esfera da experiência – inscrita não só na sua actualidade, mas também numa certa tradição histórica». 

Na concepção crítica de Rancière, o que singulariza a palavra Arte no século XVIII, por intermédio de Winckelmann, é o papel da história, mas também um lugar - a Grécia Antiga - e um sujeito, o povo. Um povo livre é um povo que não conhece a arte enquanto realidade separada. A arte comunista do séc. XX não pretende ser uma realidade separada, ela é, ao invés, a manifestação de uma vida livre, quer dizer, a manifestação de uma revolução da própria arte de viver. Reportando-se a Hegel, Schiller e Marx, a reivindicação comunista não conhece, por isso, a dissociação entre as formas e as esferas da experiência, nem conhece a separação que atribui uma realidade separada à arte e ao trabalho. Para Rancière, a linha oblíqua da arte comunista só se cumpre na medida em que ela se suprime como arte, fazendo com que a sua supressão se simbolize a si mesma, tornando sensível e visível a vida nova que ela produz, ao integrar a própria produção de coisas, de imagens e de símbolos. 

Porém, ao examinar de perto a problemática desta linha, nas obras de El Lizzitzky, Rodtchenko, Varvara Stapanova, Gustav Klucsis e Tatlin, mas também no cinema de Vertov ou na pintura de Samokhvalov e Deineka, a relação entre estética e política vem configurar dois paradigmas distintos. Se a promessa colectiva das formas, no quadro da prática artística, permite construir um universo perceptivo no qual estas são percebidas como objetos úteis e elementos sensíveis de uma vida nova, ressurge, por outro lado, a administração de conteúdos realistas e socialistas que, justamente ao esvaziar a invenção formal e ao adotar a representação clássica, vem reconfigurar fórmulas de hierarquização, de separação e de representatividade política. A adequação imediata entre formas e conteúdos, entre realismo e ideia socialista, torna-se por isso problemática. A visibilidade de um mundo novo busca ainda e sempre a sua própria forma.

GÉNERO
Arte y espectáculo
PUBLICADO
2019
31 de diciembre
IDIOMA
PT
Portugués
EXTENSIÓN
41
Páginas
EDITORIAL
KKYM
VENTAS
KKYM lda
TAMAÑO
9.4
MB

Más libros de Jacques Rancière

2013
2019
2013
2012
2022
2022