• ¥1,300

発行者による作品情報

59º livro do autor dos seguintes livros, todos publicados pelo Clube de Autores e pela Amazon, em formato impresso e digital: 1. OS OCEANOS ENTRE NÓS 2. PÁSSARO APEDREJADO 3. CABRÁLIA 4. NUNCA TE VI, MAS NUNCA TE ESQUECI 5. SOB O OLHAR DE NETUNO 6. O TEMPO QUE SE FOI DE REPENTE 7. MEMÓRIAS DE UM FUTURO ESQUECIDO 8. ATÉ A ÚLTIMA GOTA DE SANGUE 9. EROTIQUE 10. NÃO ME LEMBREI DE ESQUECER DE VOCÊ 11. ATÉ QUE A ÚLTIMA ESTRELA SE APAGUE 12. EROTIQUE 2 13. A CHUVA QUE A NOITE NÃO VIU 14. A IMENSIDÃO DE SUA AUSÊNCIA 15. SIMÉTRICAS – 200 SONETOS (OU COISA PARECIDA) DE AMOR (OU COISA PARECIDA”) 16. AS VEREDAS ONDE O MEU OLHAR SE PERDEU 17. A MAGIA QUE SE DESFEZ NA NOITE 18. QUAL É O SEGREDO PARA VIVER SEM VOCÊ? 19. OS TRAÇOS DE VOCÊ 20. STRADIVARIUS 21. OS SEGREDOS QUE ESCONDES NO OLHAR 22. ATÉ SECAREM AS ÚLTIMAS LÁGRIMAS 23. EROTIQUE 3 24. OS POEMAS QUE JAMAIS ESCREVI 25. TUA AUSÊNCIA, QUE ME DÓI TANTO 26. OS DRAGÕES QUE NOS SEPARAM 27. O VENTO QUE NA JANELA SOPRAVA 28. EROTIQUE 4 29. A NOITE QUE NÃO TERMINOU NUNCA MAIS 30. AS HORAS QUE FALTAM PARA TE VER 31. OLYMPUS: LIVRO 1 – EROS (1ª PARTE) 32. OLYMPUS: LIVRO 1 – EROS (2ª PARTE) 33. NO AR RAREFEITO DAS MONTANHAS 34. VOCÊ SE FOI, MAS ESTÁ AQUI 35. O AMOR QUE SE FOI E NÃO VOLTOU 36. OS VÉUS DA NOITE 37. OLYMPUS: LIVRO II - ARES, ARTHEMIS, ATHENA, CHRONOS, HADES, MORPHEUS E POSEIDON 38. MADRUGADAS DE SEDUÇÃO 39. O LUAR QUE EM TEUS OLHOS HABITA 40. QUANDO SUA AUSÊNCIA ERA TUDO QUE HAVIA (contos e crônicas) 41. ESSA SAUDADE QUE NÃO QUER IR EMBORA 42. OLYMPUS: LIVRO 1 – EROS (3ª PARTE) 43. UM ÚLTIMO BEIJO EM PARIS 44. OLYMPUS: LIVRO III – APHRODITE, APOLLO, EREBUS, GAIA, HERA E ZEUS 45. DE QUAL SONHO MEU VOCÊ FUGIU? 46. O LABIRINTO NO FIM DO POEMA 47. CADÊ O AMOR QUE ESTAVA AQUI? 48. OS RIOS QUE FOGEM DO MAR 49. ÚLTIMOS VERSOS PARA UM PERDIDO AMOR 50. OLYMPUS: LIVRO IV – PANTHEON 51. AH, POESIA, O QUE FIZESTE? 52. UM VERSO SUICIDA 53. ELA SE FOI, E NEM DEIXOU MENSAGEM 54. A NAVE QUE TE LEVOU PARA LONGE 55. EROTIQUE 5 56. O LADO NEGRO DA POESIA 57. UM OLHAR VINDO DO INFINITO 58. APENAS UM CONTADOR DE HISTÓRIAS Alguns trechos: “E como navegar com a bússola quebrada? / Olhamo-nos com tristeza por longos segundos, / Sabendo que chegamos ao final dessa longa jornada, / E à nossa frente nos encaram oceanos profundos!” “Admiro a simetria de tuas gêmeas montanhas, / Que me desafiam a devagar percorrê-las, / E enquanto as minhas costas arranhas, / Em teus olhos brilham infinitas estrelas!” “Estamos em completa sintonia, / Mesmo que isto seja impossível, / Um ser de carne, outro de fantasia, / Como se algo assim fosse possível!” “Em vez de respostas / Deixaste-me fraturas / Expostas / Sem curas / E rupturas / Obscuras / Em meio às trevas / Primevas / Para onde me levas” “Só por ti inventei rimas tão raras, / Que com o seu doce nome principiam, / Mas lindas como o voo síncrono das araras, / Com palavras que ainda nem existiam!” “A verdade que não quer calar / É que eu te amo / Pelas noites a te buscar / Mas não reclamo” “Levantando a sua saia / Para fazer carinhos proibidos / Entre beijos audazes / Inebriando os seus sentidos / Com minhas mãos vorazes / Que lhe provoquem arrepios / E doces gemidos abafados / Enquanto correm seus rios / Por meus dedos encharcados” “Entre nós dois se esgueira / Uma fagulha que espouca, / Sob essa lua alvissareira / Que te deixa tão louca, / Como se fosses uma loba! / De repente gemes devagar, / E agradeces a mão boba, / Por teu corpo a navegar,” “Tire-me aqui dessa selva, / Salve-me desse martírio, / Rolemos juntos pela relva, / Compartilhe desse meu delírio!” “A mirar tuas pupilas infinitas, / Dedico-me a invadir teus espaços, / E exulto-me a cada vez que gritas, / Até adormeceres entre meus braços...” “Adeus, meu ex-amor, seja feliz, / Não tenha remorso pelo que tivemos, / Não deixe em seu coração uma cicatriz / Ocupar o lugar do amor que já não temos...” “Conta-me em detalhes a tua história, / Confessa as tuas memórias de horror, / Será que viveste uma paixão ilusória, / Ou és apenas mais uma vítima do amor?” “Eu te amava no ano que vem, / Mas o que será que aconteceu / Que de nós não sobrou um vintém / No futuro que há duas horas ocorreu?” “Nada mais faz sequer diferença. / Tudo o que ficou foram escombros, / Abraçados com essa saudade imensa, / Uma tonelada de dor sobre os ombros!” “Não tentes desvendar os meus segredos, / Porque estão guardados em cofres secretos, / Protegidos pelas digitais em meus dedos, / E todos escritos em arcanos alfabetos!” “Sei que isto não faz sentido, / Porque toda vez é igual, / Pois com você me comovo, / Mas nosso amor é só um ruído, / Que somente me faz mal, / E você sempre me deixa de novo.” “Foi então que no sonho tuas asas sumiram, / E já não mais estávamos a voar, / Mas num quarto, e entre as quatro paredes, / Uma piscina como meus olhos nunca viram, / Imensa, onde ondas passavam a rolar, / E entre tanta água, desvendei tuas sedes!” “E, se você chegar perto de mim e me perguntar: / ‘Foi você?’, sem pensar duas vezes, eu lhe direi, / Com os olhos fixos em seu magnífico olhar, / Que fui eu sim, e que para sempre a amarei...” “Junte-se a mim numa aventura louca, / Faça minha ilusão subir como um foguete, / Recite versos meus com sua voz rouca, / Ao mesmo tempo em que toma um sorvete!” “E, ao raiar de uma linda manhã de agosto, / Quando de êxtases já estiver saciada, / Faça um carinho suave em meu rosto, / Comece junto de mim uma nova jornada...” “Preciso de você urgentemente, / Para tirar a barriga da miséria, / E deixar de ser assim tão carente / A minha veia fissurada em sua artéria!” “E, quando de paixão me olhas e urras, / Enquanto me cavalgas em êxtases profundos, / Mal consigo acreditar quando me sussurras / Que finalmente se mesclaram nossos mundos...” “Observa enquanto derrubo os astros / Que à tua constelação me guiavam / Olha só como derrubo os mastros / Que nossos barcos no mesmo cais abrigavam / Observa enquanto separo as correntes / Que nossos corpos loucos amarravam / Olha só como quebro as lentes / Pelas quais nossos olhos sedentos se enxergavam” “Como evitar de pensar em talvez lhe telefonar, / E convidá-la para irmos ao teatro ou ao cinema, / Ou quem sabe, sairmos juntos para um jantar, / E lhe levar flores, onde o cartão seja um poema?” “Vou vivendo / À sombra de tua devassidão tanto sonhada / Nós dois ardendo / No fogo de nossa cama sagrada” “Mas, quando dei por mim, / Já não havia seus rastros, / O sonho sumiu no jardim, / Ou se escondeu entre os astros! / Terão sonhos um cemitério / Ou simplesmente desaparecem? / Mas que intrigante mistério: / Aonde os sonhos vão quando fenecem?” “Essa esmaecida fotografia / Em que você me sorria / Com estrelas a brilhar / No fundo de seu olhar / Causou-me um choque / E ninguém que eu toque / Faria de novo eu esquecer / Aquilo que senti ao lhe ver / Naquela noite inesquecível / Em que me senti invencível / No instante em que me beijou” “Minha nave foi abatida / E caiu em teu oceano / E para salvar minha vida / As tuas águas profano / Sou um náufrago em teu mar / Nessa noite imensa / Submerso em teu olhar / Escravo de tua presença” “Depois de várias horas, pedimos um iFood, / Para recuperarmos um pouco as energias, / E enquanto a olho, tão linda, pergunto-me como pude / Ficar sem você, por tantas noites sombrias.” “Pois vê-la ao vivo deve ser incrível, / Já que sua foto queimou meu fusível / E deixou-me assim meio sem energia, / Provocando-me uma doce fantasia / De bailarmos juntos por um salão, / Teus seios roçando o meu coração, / E nos seus meigos olhos me perdendo, / Ouvi-la contar histórias que não compreendo, / Pois estarei definitivamente perdido, / Tirando a música de seus lábios de ouvido,” “Foi de repente que fiquei triste, / Quando vi o seu dedo em riste, / E eu que pensava então ser feliz / Ganhei essa infame cicatriz.” “Perdoe-me por ter lhe deixado / Sozinha por tantos anos, / Pelo meu barco ter naufragado / Longe de seus oceanos...” “Sei que esta é uma paixão funesta, / E tudo que me resta é enlouquecer, / Então me diga como sair desta, / Como é que faço para te esquecer?” “Ando por aí, contando histórias / Que a Poesia me soprou, / E camuflando minhas memórias, / Como a vida me ensinou!” “E então eu a beijei novamente, / E outras vezes, trocando nossos fluidos bucais, / Sorvendo aquela boca tão quente, / Da qual não me afastei nunca mais...” “O coração meu sangue bombeia, / Distribuindo-o em cada veia, / Mas o teu DNA, nele imerso, / Joga-me paixão em cada verso! / Minhas sinapses tiram tua foto, / E em meu cérebro a imprimem, / Mas em todas elas que noto, / Minha paixão por ti bem exprimem!” “Maravilhei-me com o lume / Que de seus olhos cintila, / Como se houvesse uma fogueira / No fundo de cada pupila / Que a consumisse inteira, / E naquele olhar revelador, / Eu descobri um paraíso / Nas promessas de seu olhar sedutor,” “Cante-me algumas canções de que goste, / Recite alguns versos que já decorou, / E em meu peito suavemente recoste, / Beije-me de um jeito que a ninguém beijou.” “Dói-me saber o destino da última flor, / Que deixaste morrer sem lamento, / E se decompor sem deixar rastros, / E nem sequer uma lágrima tua...” “O carro dela estava ao lado do meu, / E, quando a vi, deu-me um estalo, / Com aquele sorriso que me derreteu, / Como se pela janela me houvesse beijado!” “Sempre que eu te vejo passando, / Linda como um anjo caído, / Perco o rebolado e fico pensando: / Por que me abalas cada sentido?” “Solitários costumam ser introspectivos, / E quando gostam de alguém, se intimidam, / Não têm certeza de que estejam mesmo vivos, / E de sua própria imagem no espelho duvidam!” “O pesquisador, meticuloso, / Examina tudo em detalhes, / Antes de dar algum parecer. / Olha para todas as coisas, curioso, / E busca a cura para todos os males,” “Perdoa-me pelos erros cometidos, / Pelos nossos caminhos sofridos, / Pela minha falta de bom senso, / Pelas lágrimas vertidas num lenço, / Por todas as vezes que te machuquei, / Pelo pouco que muitas vezes te amei, / Pelos desencontros e algumas ofensas, / Pelas minhas parcas rezas e crenças,” “Amanhã, vou carregar um alvo enorme, / E colocá-lo em meu peito quando você me olhar, / Quem sabe assim seu olhar se transforme, / E, pelo inusitado, comece então a gargalhar?” “E, quando vejo seu riso lindo, eu me acovardo, / Temo suas garras agudas como as de um leopardo, / E de cair em suas armadilhas me salvaguardo, / Mas de seus beijos vorazes jamais me resguardo!” “Eu te amo, / Mais do que posso expressar, / Mesmo sendo poeta, / Não há palavras humanas / Que possam exprimir meu amor! / Talvez quando eu me tornar anjo, / De minha boca saiam cânticos / De amor cósmico ou divino. / Mas agora apenas digo que te amo,” “And I’ll paint you in my shoulder / Nice and lovely as you really are / Your image in me like in a folder / Written in my body like a indelible scar”

ジャンル
小説/文学
発売日
2019
10月1日
言語
PT
ポルトガル語
ページ数
35
ページ
発行者
Clube de Autores
販売元
Ink it
サイズ
1.1
MB

Marcos Avelino Martinsの他のブック